Com certeza 2020 vem sendo um ano difícil para todos. Muitos grandes nomes têm nos deixado, seja pela pandemia ou qualquer outro motivo e, uma dessas perdas atingiu em cheio o mundo da música nacional: o recente falecimento de Arnaldo Saccomani. Muitos conhecem sua figura como o jurado mal-humorado e ríspido de programas como Ídolos e Astros, mas sua história vai muito além disso.

Saccomani foi, sem dúvidas, um dos maiores produtores e compositores musicais desse país, responsável pelo lançamento de grandes artistas e profissionais do entretenimento. Possui mais de 300 músicas gravadas desde o início de carreira, das quais pelo menos 40 são hits eternizados no cenário musical brasileiro.

O começo de um gênio.

Ainda jovem, aos 17 anos de idade, após aprender poucos acordes em seu violão, começou a compor e de cara foi bem-sucedido. Enquanto estava numa banda, na década de 60, uma amiga em comum o apresentou a Ronnie Von, e o músico logo se encantou por suas composições e gravou três músicas do jovem Arnaldo. Nesse período também foi se tornando músico de estúdio,e seu emprego como assistente de produção de Manuel Barendein e presença nos trabalhos da Tropicália, concretizaram seu conhecimento e marcaram sua vida para sempre.

Apesar do reconhecimento como compositor, na época ainda era difícil viver profissionalmente disso, já que não existia uma legislação nítida para pagamento de direitos autorais e nem ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição). Saccomani acompanhou a evolução da maior parte das leis atuais na área musical, passando por todas as fases e ajudando muito na construção destas.

Além da parceria com Ronnie Von, Saccomani trabalhou em grandes álbuns dos anos 70, como:

Tim Maia

O álbum “Tim Maia”, lançado em 1970, que marcou a estreia do cantor de mesmo nome. Entre suas canções mais conhecidas, estão “Primavera” e “Azul da Cor do Mar”. O disco foi produzido por Saccomani e Jairo Pires.

A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado

O terceiro álbum da banda Os Mutantes, de 1970, foi marcado por seguir a linha do rock psicodélico puro. A faixa de abertura é o sucesso “Ando Meio Desligado”.

Mudança de ares.

Saccomani tinha uma percepção incrível para tendências musicais e futuros sucessos. Por isso, no final dos anos 80 deixou os discos de rock de lado, e ajudou a produzir álbuns que marcariam a cultura popular. Foi o caso do álbum do grupo Dominó, de 1992.

Mais ou menos nessa época, um novo fenômeno surgiu: o pagode romântico. A presença de Saccomani nesse gênero foi fundamental e marca até hoje. São dele as principais composições e produção de grupos como Sampa Crew, Sorriso Maroto, Os Travessos, Pixote, Negritude Junior, Raça Negra e Belo.

Entra na conta de Saccomani também a descoberta do artista e comediante Tiririca, através de sua música “Florentina”. Além disso, a participação fundamental na produção do grupo Mamonas Assassinas.

Com produções certeiras, conseguiu lançar e emplacar discos que venderam milhões, como álbuns das Chiquititas, Mara Maravilha, Carrossel e, mais recentemente, o último disco de Larissa Manoela. Saccomani, junto da filha Thaís Nascimento, se tornaram dois dos maiores arrecadadores de direitos autorais do Brasil, provando que talento também se herda.

Sua marca no Rádio e TV.

Arnaldo teve sua imagem e personalidade impressas na mente do povo graças principalmente aos reality shows como Ídolos e Astros, onde dividiu cadeira com outros grandes profissionais da música como Thomas Roth, Cynthia Zamarano e Carlos Miranda, esse último grande produtor musical, falecido em 2018 e também um dos melhores amigos de Saccomani.

Sua presença na televisão foi notável, porém o produtor já tinha uma marca muito importante nos meios de comunicação, principalmente no seu período em rádio, tendo dirigido a Antena 1 FM e a Jovem Pan II, lançando muitos radialistas de sucesso, como Antonio Viviani e Eduardo Thadeu.

Últimos trabalhos e legado.

Saccomani sempre esteve ativo, trabalhando em muitas áreas como diretor, compositor e produtor, seja na televisão ou na música. Alguns de seus últimos trabalhos foram: a produção de toda a trilha sonora da versão brasileira de Chiquititas, novela da emissora SBT, com a qual o produtor já possuía uma longa parceria; e o mais recente álbum da promissora (e milionária) jovem artista Larissa Manoela, disco intitulado “Além do Tempo”.

Seria praticamente impossível contar sobre todos os trabalhos desse enorme profissional. Saccomani deixa para nós músicas e composições que marcaram a história. Ele faleceu em Indaiatuba no dia 27 de agosto de 2020, sofria de insuficiência renal e diabetes, e vinha lutando desde julho de 2019, quando começou a fazer hemodiálise.

Só podemos agradecer por toda dedicação e trabalho desse incrível produtor, que proporcionou a todos momentos marcantes em nossas vidas, seja na trilha sonora de uma novela, ou naquele pagode de domingo com a família. Temos um pouco de Arnaldo Saccomani na lembrança de cada brasileiro.

O produtor Arnaldo Saccomani.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui