Blackwater Park, lançado em 27 de fevereiro de 2001, é o quinto álbum da banda de death metal progressivo Opeth. Contando com a produção de Steven Wilson, líder da banda Porcupine Tree, que acabou por influenciar diretamente no novo trabalho da banda, expandindo o som para algo fora do convencional dentro do death metal após a boa repercussão de Still Life.
Blackwater Park abriu portas para a primeira vez do Opeth em turnê mundial e uma aparição no festival Wacken Open Air de 2001 na Alemanha, tocando para uma multidão de 60.000 pessoas.

Com uma abertura estarrecedora, Leper Affinity prepara a tensão que ambienta o álbum aclamado. Múltiplas camadas de cordas, vocais por hora visceral e melódica em outros momentos, elementos que compõe tal espetáculo teatral. A meu ver as músicas de Blackwater Park parecem representar uma peça com sentimentos mais sórdidos.
É fácil notar como foi bem tratado cada ato que compõe o título. Um piano encerra a tormenta que se vive, e tudo que você precisa é de um silêncio para se deixar levar por cada nota teclada.

Já extasiado pela primeira música o álbum segue com Bleak, que é uma das músicas do Opeth que carrega um tom poético para o álbum. Um som mais arrastado dá o clima para os guturais de Mikael Arkerfeldt, mas a grande mudança vem em alguns minutos depois. Com uma convenção rítmica e vocais dobrados, Mikael mostra mais uma vez o talento que tem para cantar e compor. A música entra em um clima de leveza, onde faixas de violão e baixolão se fazem presentes na canção.

Até esse momento o que você pensa é que foi um álbum muitíssimo trabalhoso. E foi, porém encontrei o áudio de uma entrevista realizada em Março de 2001 onde Mikael diz que não gostam muito de ensaiar para a gravação e que ensaiaram umas três vezes somente. O que para ele soou interessante e acabou criando um mistério de como as músicas iriam soar na mix final.

Quando se trata de influências nas composições, além do progressivo, a banda é conhecida por trazer elementos de jazz – principalmente nos álbuns mais recentes – e trata muito dos sentimentos com influência literária.

A emocionante Harvest conta o lamento de alguém que está partindo e parece mesmo um relato dos últimos momentos de vida de uma pessoa que suplica que não o abandone. Nesse momento gélido, um vazio se cria ao entender que velam a morte de um pecador que se proclama mártir. Essa é uma faixa totalmente acústica do álbum que conta com um solo de jazz. Mais uma vez, Opeth soa tão poético e melancólico.

A banda tentou recriar a experiência de gravação de Still Life, mas agora contando com Wilson que levou a banda a expandir seu som, incorporando novos sons e técnicas de produção. “Steve guiou-nos para os reinos de “estranhos” ruídos de guitarras e voz”, disse Åkerfeldt.

Drapery Falls foi lançada como single promocional do álbum e é uma das músicas que sempre está presente na setlist da banda. Assim como em Dirge For November e The Funeral Portrait, a banda opta por apresentar trechos acústicos trazendo certa calmaria antes da tempestade de sentimentos que as músicas causam.

O grande diferencial da banda é justamente o fato de não estarem muito preocupados com o rótulo ou com o que a música pode parecer. No meio dos acordes extremos, você encontra momentos progressivos, elementos de jazz e até mesmo influências de folk como já visto no álbum Orchid.

Para a conclusão do disco, eles criaram uma faixa instrumental chamada Patterns in the Ivy que é mais um momento de respiro que o álbum dá para então dar início ao fim com a faixa homônima Blackwater Park. A sonoridade é estupenda e define bem tudo o que o disco proporcionou até ali. Muito peso, uma carga de sentimentos que te faz imaginar cenas dramáticas, com um instrumental de deixar qualquer músico ou amante da música de boca aberta.

Blackwater Park é um trabalho notável que criou raízes e foi altamente aclamado no seu lançamento. Um notório amadurecimento da banda que é tido como o divisor de águas tanto para a banda quanto para o gênero, e é até hoje uma grande referência que atinge inúmeras bandas do metal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui